Destaques

O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel), José Luiz Diaz Fernandez, estima que o setor terá um crescimento de 10% neste ano, na comparação com o ano passado. O resultado compensaria as perdas de 2009, devido à crise econômica, e recuperaria o desempenho de 2008. As afirmações foram feitas ontem, em Arapongas, na abertura da 7ª edição da FIQ – Feira Internacional da Qualidade em Máquinas, Matérias-Primas e Acessórios para a Indústria Moveleira. A feira ocorre até sexta-feira, das 13 às 20 horas, no Expoara – Centro de Eventos.

De acordo com dados da Abimóvel, divulgados pela assessoria de imprensa da FIQ, em 2008 a produção brasileira da indústria de móveis chegou a R$ 22 bilhões. No ano seguinte, o mais afetado pela crise financeira internacional, o faturamento recuou 2,93%, para cerca de R$ 18 bilhões. O desempenho das exportações foi ainda pior, com queda de 28%: em 2008 foram exportados R$ 2 bilhões e, em 2009, R$ 1,3 bilhão.

As vendas de dezembro do ano passado a fevereiro deste ano justificam o otimismo do setor. Segundo a Abimóvel, as vendas cresceram 13% no período e a capacidade ociosa das fábricas caiu de 30% para 15%. A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de 10% para 5%, deu impulso ao setor. O benefício – tornado permanente – vale para móveis de metal e estofados – estes últimos responsáveis por 35% da produção brasileira de móveis. “É o momento de pisar no acelerador para recuperarmos os níveis de 2008”, afirmou Fernandez. “A equalização do IPI permite essa expectativa.”

Além do mercado interno, as vendas para o exterior voltaram a crescer. No primeiro trimestre deste ano, as exportações de móveis somaram US$ 173,27 milhões, volume 11,8% superior que o mesmo período do ano passado.

O maior risco, segundo Fernandez, é o preço da matéria-prima, que subiu e pode encarecer o produto final. “Até agora o setor moveleiro não tem repassado esses custos para o varejo”, disse Dias, “mas não sei até quando suportará”.

Fonte: Abimóvel

A Secretária de Fazenda do DF dilatou o prazo da obrigatoriedade da implantação da Nota Fiscal Eletrônica (NFe). A Portaria nº 176 foi publicada no Diário Oficial do DF. Com a decisão, os empresários da indústria da madeira e do mobiliário terão até o dia 01 de dezembro de 2010 para substituir a Nota Fiscal modelo 1 e 1-A para a NFe. O prazo para adequação das empresas foi prorrogado a pedido do Presidente do Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário do DF (SINDIMAM), José Maria de Jesus, que verificou a dificuldade das empresas filiadas ao Sindicato de se adequarem à nova lei.

PORTARIA Nº 176, DE 28 DE JULHO DE 2010.

Autoriza a utilização da Nota Fiscal modelo 1 ou 1-A, em substituição à Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, para os contribuintes que especifica. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA DO DISTRITO FEDERAL, no uso de suas atribuições regimentais e com base no disposto no art. 396 do Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, resolve: Art. 1º. Ficam alterados, excepcionalmente, de 1º de abril de 2010 e de 1º de julho de 2010, para 1º de dezembro de 2010, os prazos estabelecidos para obrigatoriedade da utilização da Nota Fiscal Eletrônica – NF-e em substituição à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, pelo critério de CNAE, relativamente às indústrias da madeira e do mobiliário. Parágrafo único. Nas operações interestaduais, as empresas previstas no caput deste artigo devem observar a legislação vigente da Unidade Federada do destinatário da operação. Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação. Art. 3º. Revogam-se as disposições em contrário. ANDRÉ CLEMENTE LARA DE OLIVEIRA

Foi eleita no dia 16 de junho de 2010 a Nova Diretoria do SINDIMAM para o mandato de 2010 a 2013. Presidente: José Maria de Jesus; 1º Vice-Presidente: Daniel Borges Gomes; 2º Vice-Presidente:  Jean Carlos da Silva Santos; Vice-Presidentes: José Luiz Diaz Fernandez, Francisco de Assis da Silva, ,Josezito Nascimento Andrade, Roberto Maurício Moraes; 1º Secretário: Ricardo Gonçalves de Oliveira; 2ºSecretário: Marconi  de Oliveira Matias;1º Tesoureiro: Claudio da Costa Vargas; 2º Tesoureiro: Marcelo Ribeiro Bilac; Diretores: Sérgio Roberto Bernardon, Luciano Oliveira Salvador,  Edson Sebba, Lázaro Consuelo Veloso, Adjair de Souza Cordeiro; Conselho Fiscal Efetivos: Alcimar do Nascimento, Roberto Silva Bomtempo, Ivana Fechina Gomes de Oliveira; Conselho Fiscal Suplentes: Leandro de Souza e Silva, José Maurício de  Freitas Lima, Jean Régio Ferreira;Delegados Representantes Junto a FIBRA Efetivos: José Maria de Jesus e Cláudio da Costa Vargas;; Delegados Representantes Junto a FIBRA Suplentes: Roberto Mauricio Moraes e Ricardo Gonçalves de Oliveira .

 

Em Setembro de 2007, as principais indústrias moveleiras de Brasília estiveram reunidas no 2º SALÃO DO MÓVEL BRASÍLIA. Foi uma chance de trocar a mobília da casa ou escritório com preços especiais e a qualidade conhecida de cada indústria participante. Móveis direto da fábrica. A Feira foi um sucesso.

:: Fotos

 

Em Setembro de 2006, as principais indústrias moveleiras de Brasília estiveram reunidas no 1º SALÃO DO MÓVEL BRASÍLIA. Foi uma chance de trocar a mobília da casa ou escritório com preços especiais e a qualidade conhecida de cada indústria participante. Móveis direto da fábrica. A Feira foi um sucesso.

:: Empresas Participantes

ARTE NOBRE, BRADIV , CIMPLA COZINHAS, COUTO INTERIORES, CRIARTE, FECHINA, FORMATUS MÓVEIS, GERMAN, JEFLAM DESIGN, KAIZEN MARCENARIA, LORENA MÓVEIS, MARCENARIA SILVA, MOBJETTO, MÓVEIS BOMTEMPO, MÓVEIS UNIÃO, MS MÓVEIS, MTR MÓVEIS, NOBEL MÓVEIS, QUARTO PRÁTICO, REAL FERRAGENS, RICHARD MÓVEIS, SANTOS AMBIENTES, SEBBA MÓVEIS, STURE MÓVEIS, STYLLUS MÓVEIS, TALENTUS ESQUADRIAS, TONMACI MÓVEIS, TUNICO LAGES, VEGGAS SOLUTIONS, V&M MÓVEIS, ZETHA MÓVEIS.

:: Fotos

 

Subcategorias

Últimas Notícias

Publicidade

Serviços

Enquete

Como o Sindimam pode lhe ajudar?

Parceiros